quinta-feira, 6 de julho de 2017

Apontamentos: Abril de 1812, a quarta “invasão” de Marmont


Abril de 1812: a quarta “invasão” de Marmont

Os acontecimentos desta altura representam um dos pontos altos de Lecor no comando da Beira Baixa, com uma retirada ordeira para Sarnadas / Vila Velha do Ródão face à aproximação de um número considerável de franceses, destacados da força principal de Marmont.

A incursão de Foy servia o objetivo de ameaçar as operações de cerco em Badajoz, assim como de forragear em força, dada a relativa exaustão na Espanha. O facto de ter comprometido apenas uma divisão, a 2.ª de Lamartiniere, contra Castelo Branco (e a passagem do Tejo em Vila Velha), mostra que era apenas uma demonstração em força.

Todas as aldeias onde os franceses passaram sofreram a mais absoluta recolha de materiais, incluindo a madeira das casas, assim como toda a forma de violência e mortes. Cemitério de vivos, escrevem de Alpedrinha.

Antecedentes

Desde Abril de 1811, Lecor volta a comandar a Beira Baixa, após ter saído das Linhas no comando da brigada portuguesa da recém-criada 7.ª Divisão.

3-6.5.1811 – Batalha de Fuentes de Honor. Lecor já não comanda a brigada portuguesa da 7.ª Divisão.

16.5.1811 – Batalha de Albuhera.

2.8.1811 – Wellesley em Castelo Branco.

Ação

28.2.1812 – Collins recebe o comando da futura 6.ª Brigada Portuguesa (7+19+2). ORDENS DO DIA, Beresford. Quem estava antes?

16.3.1812 – Início do 2.º sítio de Badajoz.

1.4.1812 – Alten muda o seu QG para Alfaiates.

2.4.1812 - Alten muda o seu QG para Sabugal.

3.4.1812 - Alten muda o seu QG para Benquerença. Ficam o dia seguinte.

5.4.1812 – Alten muda o seu QG para Pedrogão. É informado que os franceses se dirigiam para o Sabugal, mas depois desviaram para Fuente Guinaldo. Deu azo a conjeturas, mas Alten decide prosseguir no dia seguinte para Castelo Branco.

6.4.1812 – Tomada de Badajoz pelo exército aliado.
6.4.1812 – Alvoroço geral na comarca de Alpedrinha, “pelas notícias que o inimigo ameaçava pela estrada de Coria a nossa fronteira”.

7.4.1812 – Alten para em Castelo Branco.

8.4.1812 – Alten passa o Tejo para a margem esquerda, em direção a Nisa, pensando ter cumprido a missão que lhe havia sido atribuída.

9.4.1812 – Franceses entram em Alcaide, onde se repartem, uns para o Fundão, e outros para Alpedrinha, ficando em Alcaide o General Foy com uma escolta.
9.4.1812 – Marcha para NIZA. Victor Alten recebe lá comunicação de Lecor, que o inimigo chegou ao Fundão em força. Envia um “officer’s party of hussards”

10.4.1812 – Francezes entram em Alpedrinha. Cerca de 8 mil homens.
10.4.1812 – Bereford escreve de Badajoz, dando ordens a Lecor para que permaneça em, ou perto de, Castelo Branco o máximo possível sem se comprometer face a uma força superior, e que a retirar o deve fazer para Abrantes o mais lentamente possível, pela margem direita do Tejo. Informa-o que Alten está na área e que deve cooperar.

Je vous repete de ne pas ceder plus de terein que vous n’etes en prudence obligé de faire.” (Beresford, 10.4.1812)

A importância de Castelo Branco estava em que se localizava num nó rodoviário fulcral para ligar o sul ao norte da fronteira e o eixo Badajoz/Ciudad Rodrigo, as principais portas de entrada em Portugal. Caindo Castelo Branco, rápido cairia a passagem de Vila Velha e a ligação mais rápida entre norte e sul, que Wellesley usou de forma muito inteligente.

11.4.1812 – Sábado. Saiem de Alpedrinha com direção a Castelo Branco. “[...] mas continuou a passar por aqui todo esse dia, e seguinte, tropa, que desfilava do Fundão para aquella cidade: nesta se dividiram em dois corpos, e sahiram ambos no dia 13 de noite, um pela estrada de Escalos de Cimaa saquear os povos da raia, como Medellim, Pedrogão, etc. outra por Atalaia em direitura ao Catrão, e se reuniram no Alcaide com a escolta do General”.
11.4.1812 – 14 horas. Lecor avista duas colunas, que vinham pela estrada de Alcains, cobrindo a sua vanguarda com 6 esquadrões de cavalaria.
11.4.1812 – Victor Alten, sob ordens de Wellesly, volta a passar o Tejo, a tempo de cobrir a retirada de Lecor para SARNADAS.

As forças disponiveis das Millicias, com que me achava, não excedião os 1600=homens: era pois d’absoluta necessidade o retirar-me: a voz de marcha foi dada dipois da Guarda avançada inimiga ter entrado na cidade, e a Divisão de Millicias do meu commando cobrindo todo o trem dos Hospitais, alguns generos, e duentes, marchárão na milhor ordem para Villa Velha ahonde premaneci athe pella manhãa seguinte em quanto desfilou pella ponte os combois, gados, e toda a gente que por aquelle ponto pertendeu salvarse [...]”


12.4.1812 – Domingo. Vila Velha. Lecor combinou-se com o 1.º Regimento de Hussares KGL: “fui occupar o Passo da Milhariça”.
12.4.1812 – Alten avançou desde Sarnadas e encontrou vários esquadrões de cavalaria e um batalhão de infantaria perante Castelo Branco. Uma pequena escaramuça tomou lugar, em que os hussardos sob o Cornet Blumenhagen, empurrou a guarda avançada contra o corpo principal, tendo feito um prisioneiro. Contudo, os francezes mantêm a posição. Os Hussardos deixam piquetes e retornam a Sarnadas.

A boa vontade e dispozição que observei em geral nos Millicianos, e a boa ordem com que executárão a retirada á vista do inimigo com o vagar que exigia a marcha de hum comboi de carros, faz o elogio desta tropa, e dá bem a conhecer do quanto são suceptiveis.”
13.4.1812 - Saiem 2 corpos franceses de Alpedrinha, de noite.
13.4.1812 – De manhã, os franceses retiram-se em direção a Penamacor com alguma precipitação.
13.4.1812 – Os Hussardos entram em Castelo Branco à 9 (da noite?). inimigo retira para Pedrogão até ao chegada do exército aliado a 16.

14.4.1812 – Franceses retrocedem sobre Alpedrinha, ao princípio da noite, “onde surpreenderam muitas pessoas de todas as idades e sexos, satisfazendo aos impulsos da mais brutal sensualidade, [...]”.
14.4.1812 – GUARDA.
l
15.4.1812 – Franceses saiem de Alpedrinha e seguem para Capinha, pela estrada do Sabugal.

17.4.1812 – Wellesley chega a Castelo Branco, vindo de Badajoz.

19.4.1812 – Wellesley em Castelo Branco. Recebe as primeiras informações acerca dos acontecimentos na GUARDA, através de um alferes de milícias e alguns sargentos. A data do combate não é especificada.

4.6.1812 – Lecor promovido a Marechal de Campo.

22.6.1812 – Batalha de Salamanca ou Arapiles.

31.7.1812 – Ordem do Dia que o promove a Marechal de Campo.

12.10.1812 – Lecor comendador honorário da Ordem da Torre e Espada.


Carta de Lecor a Forjaz, Castelo Branco, 14.4.1812
AHM/DIV/1/14/097/42 [ff 21-22]

Tenho a honra de participar a V. Ex.ca. para por na prezença de S. A. Real que tendo o inimigo entrado em Alpedrinha no dia 10, como participei a V. Ex.ca. no meu ultimo officio, no dia immediato ás 2 horas da tarde avistei duas Columnas, que se dirigião a esta cidade pella estrada de Alcains, cobrindo a sua vanguarda com 6 eesquadrões de Cavallaria.

As forças disponiveis das Millicias, com que me achava, não excedião os 1600=homens: era pois d’absoluta necessidade o retirar-me: a voz de marcha foi dada dipois da Guarda avançada inimiga ter entrado na cidade, e a Divisão de Millicias do meu commando cobrindo todo o trem dos Hospitais, alguns generos, e duentes, marchárão na milhor ordem para Villa Velha ahonde premaneci athe pella manhãa seguinte em quanto desfilou pella ponte os combois, gados, e toda a gente que por aquelle ponto pertendeu salvarse, e dipois combinando-me com o 1.º Regimento de Hussares que passou do sul do Tejo, fui occupar o Passo da Milhariça para me por ao alcance de poder executar as ordens superiores de que estava munido. //

A boa vontade e dispozição que observei em geral nos Millicianos, e a boa ordem com que executárão a retirada á vista do inimigo com o vagar que exigia a marcha de hum comboi de carros, faz o elogio desta tropa, e dá bem a conhecer do quanto são suceptiveis.


O inimigo logo que se me reunio alguma Cavallaria do 1.º de Hussares, não se atreveu a avançar. Hontem pella manhãa se retirou desta cidade em direcção a Penamacor com alguma precipitação.

Sem comentários:

Enviar um comentário