quarta-feira, 5 de julho de 2017

Apontamentos: A Coluna do Centro



30/7/1816 – ORD TGManuel Marques de Sousa ao Cor FELIX JOSÉ DE MATTOS, comandante da GUARDA DO CERRITO: 

9/8 – MADRUGADA: o TenCor Almeida, Cap João Marques e o Alf Milicias Feijó supreeendem a GUARDA DE ARREDONDO, fazendo 37 prisioneiros, incluíndo o comandante Eugenio de la Rosa, etc.

10/8 – MATTOS acampa no PASSO DO DAMÁSIO [Po. ORCOYEN?], no ARROIO SARANDI [DE BARCELÓ?]. Passo de Barcelos (mapa antigo)

11/8 – MATTOS faz alto em ARROYO MALO. Quando já montados para marchar caiu um raio e matou um soldado Miliciano, Francisco de Quevedo, da 8.ª companhia.

12/8 – Viemos para CHUY. 
Madrugada: Cap Manuel Joaquim reune-se com 15 homens.
SAENZ foi com 7 homens a bombear a marcha deste divisão. Morte vil de um pião no CHUY.
MELO: 2000h, BARNABÉ SAENZ, comandante do CERRO LARGO informa MATTOS que sai da vila com toda a guarnição, fazendo-o responsável pela segurança da vizinhança.

13/8 – 0000h, Albano de Oliveira e Bento Gonçalves apresentam-se no PASSO DE CHUY, fugidos do comando de SAENZ e dão a MATTOS a notícias da morte do pião.
0100h, MATTOS fez avançar a Legião reforçada com homens do Batalhão comandado pelo TenCor Paiva, e vindo amanhecer à margem do TAQUARY defronte de MELO já não achou os insurgentes que Saenz levava.
1300h, MATTOS informa o TG Sousa da sua entrada em MELO. Acampamento  junto ao rio TAQUARY, a noroeste da povoação. Chuvas e trovão. INFO Outorgés em SAPALHA com 600 homens

14/8 – Cap Manuel Joaquim sai com 81 homens de todos os corpos, a passar TAQUARY no PASSO DA CRUZ, e ir observar os movimentos dos insurgentes, e ver se obsta à junção de Otourgés com Artigas.
1700h, reuniu-se o Cap Gaspar Pinto Bandeira com 45 homens, que não atacou a guarda no dia 9 porque não pode atravessar o JAGUARÃO. 662 homens.

(...)

17/8 – MATTOS recebe oficio do cap Manuel Joaquim anunciando que: Rivera (?) tem uma força considerável em FRAILE MUERTO, e pretende-se reunir a Otourgés. Reunião inimiga possivel a 16 ou 17, no POSTO DE D. BERNARDO SOARES, a 5/6 léguas de Cerro Largo. Pretendem atacar.

18/8 –  MATTOS em CERRO LARGO

(...)

29/8 – OTORGUÉS informa Miguel Barreiro que os portugueses entraram até Cerro Largo. Esteve no potreiro de SAPALLÁR.

(...)

1/9 – O Alf da nova companhia de Cav ligeira de Milicias Manuel José Cavalheiro escreve a MATTOS: que nos dia 30 chegaram de ASEGUÁ dois enviados de Otourgés em procura dele, com uma carta de Ortougés e de mais oficiais, solicitando que se junte a eles. INFO: Otourgés já teria passado o RIO NEGRO a este lado com 1000 homens, que pelo dia 28 devia acampar em TUPANBAÉ à espera de 600 blandengues que Artigas lhe envia. Cap Manuel Joaquim diz que  (Otorgés) está em FRAILE MUERTO e não tem avançado.

(...)(...)

20/9 – SILVEIRA em PORTO ALEGRE, no conselho de guerra com Lecor e Alegrete:
“General Silveira, que marcha do Cerro Largo com 800 homens da DVR, e 800 do contingente  com as guerrilhas de Manoel Joaquim Antonio dos Santos” (etc)

[22/9 - BATALHA DE SANTA ANA (OESTE)]

(...)

4/10 – APARÍCIO já no CERRITO, 4 esquadrões: toda a cavalaria da DVR, excepto a da vanguarda (?). Só há 45 cavalos prontos...

12/10 – Falta de cavalaria para os 4 esquadrões da DVR em CERRITO
Lecor (alterações ao plano): “(...) tomo a resolução de fazer marchar o brigadeiro Silveira do Cerro Largo pela estrada da Coxila a Montevideo, de maneira que sempre se possa comunicar comigo, [...] ao mesmo tempo o meu flanco, e dominando o paiz”. (AA, 31a, p77)

21/10 – SILVEIRA chega a CERRITO (onde fica até 8/11) (f. Manuel Pedro de Mello)

[27/10 – BATALHA DE CARUMBÉ (OESTE)]

8/11 –SILVEIRA vai para o CERRO LARGO (f. Manuel Pedro de Mello)

[19/11 – BATALHA DE INDIA MUERTA (VANGUARDA)]
20/11 – SILVEIRA diz que no dia seguinte se põe em marcha do CERRO LARGO sobre Otorgués que ocupara FRAILE MUERTO. Marcha apenas a 22.

22/11 – SILVEIRA, Marcha do CERRO LARGO, fez alto no ARROIO DOS CONVENTOS e demorou-se 3 dias esperando a reunião das carretas que vinham do CERRITO com bolacha e que tiveram considerável demora. [Manuel Pedro de Mello refere que é a 23/11.]
23/11 – SILVEIRA em CERRITO +  4 esq (Aparício). Lecor ordenou-lhes que (estando sofrivelmente remontados) marchem ao CERRO LARGO a reunir-se com a Tropa do comando do coronel Felix José de Mattos e que depois avançasse sobre Otorgués que ocupava FRAILE MUERTO sobre a margem esquerda do RIO NEGRO, devendo depois descer pela Coxilha Grande na direção de MINAS.

26/11 – SILVEIRA destaca o TenCor PAIVA com 2 esq Legião do Rio Grande e um destacamento do Bat Infantaria, que marchassem pela margem direita, atravessassem o RIO NEGRO no PASSO MANSAGANO, explorasse a margem direita com objeto de cortar ou apanhar algumas cavalhadas ou partidas inimigas MANDA o TenCor PESSANHA + 1 esq DVR reunir-se a uma partida de 150 que havia mandado antes explorar a esquerda até GUAZUNAMBY, e que então se achava em ARROIO DE MUGA, ordenando-lhe que marchasse pelas cahidas da Coxilha Grande, em direção ao ARROIO PABLO PAES até se reunir comigo no CORDOVEZ, aonde tb se deveria reunir o TenCor Paiva.
27/11 – SILVEIRA marchou dos CONVENTOS, sem encontrar oposição ou vestigios do inimigo, mais do que alguns exploradores até ARROIO DE TATARIAS (TARARIRAS)

1/12 – SILVEIRA toma conhecimento da batalha de INDIA MUERTA através de carta do TenGen Manuel Marques de Sousa.

3/12 – SILVEIRA chega a a ARROIO DE TATARIAS (TARARIRAS?)
3/12 – TenCor PESSANHA chega ao ARROIO DE PABLO PAES.
4/12 – MADRUGADA: Pessanha descobriu o inimigo no outro lado do arroio, que ali tinha chegado na mesma noite, e parecendo-lhe uma força de 300 homens resolveu atacá-lo. BATALHA DE PABLO PAES.

PABLO PAES [Carta de 9/12] Mortos: Batalhão do Rio Grande (5 soldados); Milícias (1 furriel e 5 soldados); Guerrilhas (2 soldados), DVR (1 sargento e 21 soldados). Feridos:  Batalhão (1 cadete e 5 soldados); Milicias (1 furriel e 6 soldados); DVR (1 capitão e 6 soldados) Apresentaram-se no Cerro Largo 12 praças que andavam extraviadas e vão incluidas no numero dos mortos.

4/12 – 1200h, SILVEIRA chega à vista do ARROIO DE PABLO PAES

5/12 – NOITE: SILVEIRA em PASSO DO CORDOBÉS. Marcha na direção da CAPILLA FARRUCO. Manuel Pedro de Mello refere que o objetivo era chegar a MINAS.

[8/12 – SAUCE (VANGUARDA)]
9/12 – SILVEIRA, Acampamento na costa do CORDOVEZ. Numeros de mortos (35) e feridos (20) na batalha de Pablo Paes. (Archivo Artigas AA 31a p. 121)

14/12 – GY. (?) (arq. linhares)
Artilharia a Cavalo: Presentes 4-4-1-56 (4 of, 5 sarg, 1 clarim, 76 praças, faltam 1 clarim (tambor na infantaria e corneta na infDVR) e 25 soldados para completar) = 3-5-2-102
Cav DVR: Presentes 15, 15, 10, 336 (Destacados: 14-17-9-270) (36-35-22-703, faltam 0-0-2-58 para completar = 36-36-24-768
LV Rio Grande: Presentes 9-5-4-102 (estado efetivo 12-10-4- 209 + faltam 1-0-0-25) = 12-10-4-234
Cavalaria Milicias (...)
Batalhão de Inf DVR: Presentes – 6-8-4-156 (efetivo – 9-15-6-193 – completo – 8-12-4-200)
Bat Inf Art RG: presentes – 8-8-7-183 (efetivo – 13-10-9-322 / faltam 1-0-1-49 / completo – 12-10-10-368)


TOTAIS
Artilharia: 4 oficiais e 61 outros
Cavalaria: 24 oficiais e 472 outros (fora milícias do RG)
Infantaria: 14 oficiais e 366 outros
TOTAL: 42 oficiais e 899 outros (fora estado maior e cavalaria miliciana do RG)

(DUARTE) “Depois desta ação, a coluna avançou, atravessou o CORDOBES na PICADA DA PERDIZ sempre acossada pelo inimigo, seguiu pelas nascentes do LAS CAÑAS até ao RIO YI [14/12?], que foi transposto no PASSO D’EL-REI, onde hoje existe o povo de SARANDI.”

RIVERA e OTORGUÉS unem-se nas imediações de TORNEIRO, arroio que flui para o SANTA LUZIA-CHICO. Não se acertam e separam-se, Rivera saindo da zona. (vide CACERES, p. 394)

21/12 – “Atinge a barra do CASUPÁ, afluente do Santa Luzia-grande, onde foi hostilizada por guerrilhas orientais. ; aí conservou-se pelo espaço de 10 jornadas, abrigado nos potreiros da pequena povoação, após o que retomou a marcha para Montevidéu, costeando o Santa Luzia pela margem direita.”
Ficou em CASUPÁ até 31/12.
23/12 – “(...) athe  que  emfim  no  dia  23  DE DEZEMBRO  marchando das  CABISSEIRAS  DO  ARROIO  MILAM  para  a BARRA  DE  CASSUPÁ  em S.  LUZIA  encontrou  a vanguarda  da  Columna huma  piquena partida,  que  fugio  logo  deixando  comtudo  bastante  Gado  ” (Manuel Pedro de Mello)
Ficou 10 dias em CASSUPÁ.

(...)

3/1/1817 – SILVEIRA marcha para MINAS:
“(...) se nos aprezentou Fructuozo Ribeiro no PASSO REAL DE S. LUZIA com  sette a oitto Centos homens rianimados, e athe já orgulhozos pella perda da  nossa Vanguarda no desgraçado incontro do SOLIS; apezar deestarem em poziçaõ, cubertos com hum Rio, e arvoredo, o mesmo foi avançarmos lhe que fugirem.” (Manuel Pedro de Mello)

[3/1/1817 – BATALHA DE ARAPEY (OESTE)]
[4/1 – BATALHA DE CATALÁN (OESTE)]
4/1/1817 – SILVEIRA, Vila de MINAS. OD: COLUMNA DO CENTRO DO EXÉRCITO D’OPERAÇÕES

Coronel António Feliciano Teles (de Castro) Apparicio (DVR)
TenCor M. A. Pessanha (Antonio Manuel de Almeida Morais Pessanha?)
Maj José Pedro de Mello (Inf, DVR, 1.º RegInf, or. Inf24)
Maj Isidoro d’Almada e Castro (OC Art Cavalo)
1.º Ten grad Ricardo José Coelho (OC Art Cavalo)
Cap Gaspar Pinto da Costa (pelo reconhecimento que fez sobre a esquerda) 
Alf Domingos Crescencio (comando dos atiradores de Legião de Voluntários do Rio Grande)
Maj Dep QuartelMestre D. Gastão da Câmara
Alf Dep Ass QMG J. Pinto de Sousa
TenCor Dep AjudGen Conde de Linhares. pelo valor com que forçou o passo do ARROIO DE S. LUZIA, e perseguiu o inimigo
Sente que as feridas do Cap Cav (DVR) António Cerqueira [or. Cav 9; 2.ª companhia do 1.º CpCav] o privem temporariamente dos serviços. + Alf João Gomes [da Silva, or. Cav1, 1.º CpCav], ferido na carga do mesmo esquadrão.

13/1 – Chegam a PAN DE AZUCAR. Lecor já lá está há um dia.
15/1 – PAN DE AZUCAR. (arq conde linhares ?)

Duarte, pp. 241-sg  : Coluna Silveira

Bibliografia

- Comisión Nacional Archivo Artigas, Archivo Artigas, Montevideo, Monteverde, tomo 31.
. DUARTE, Paulo de Queiroz, Lecor e a Cisplatina 1816-1828 ( 3 vv.), Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército Editora, 1984.

Sem comentários:

Enviar um comentário